ACONTECE NA PROJETO | CRÔNICAS SEMPRE ALUNOS
RODRIGO CARAMICO LOPES

Autoconhecimento. Segundo Rodrigo essa é a chave para fazer boas escolhas, encarar desafios e estar sempre motivado para buscar novas experiências e crescer tanto no campo profissional, quanto pessoal. E ele enfatiza o quanto a Projeto investe numa formação que tem o autoconhecimento como ponto de partida e de chegada. Este provavelmente é o aspecto mais forte do relato deste Sempre Aluno, que atribui à Projeto papel principal no roteiro de sua vida.

Rodrigo é comunicativo. Muito. Isso se percebe em dois minutos de prosa. Gosta de estar sempre rodeado de gente, de conversar. Faz as pessoas rirem – é do tipo que perde o amigo, mas não perde a piada. Leva a vida com leveza e otimismo – capacidades raras hoje em dia.

Não é à toa que está na área de comunicação. “Desde pequeno tive vontade e vocação para trabalhar com comunicação e a Projeto super me incentivou a isso também”. Formou-se em Radio e TV e trabalha como produtor da TV Fama, na Rede TV. Gosta do que faz, sente-se realizado, mas.... Sabe perfeitamente que este não é o momento de se acomodar.“

Além de querer novas experiências dentro da própria comunicação – está, junto com uns amigos, produzindo esquetes para um canal de comédia no Youtube –, gosta de música – toca diferentes instrumentos – e de teatro. Ou seja, é multimídia: produz, dirige, escreve, toca, interpreta – só falta assobiar e chupar cana.

teatro merece um capítulo à parte na sua história. Como todos os Sempre Alunos entrevistados até agora, a montagem da peça foi, para ele, mais do que um dos melhores momentos da vida escolar.

“Na Projeto experimentei o teatro – coisa que eu nunca tinha feito, e adorei. Quando fui pro Ensino Médio teve uma apresentação do grupo de música do qual eu fazia parte que me fez lembrar daquela minha interpretação da Projeto e resolvi fazer teatro outra vez. Adorei a experiência. Você se coloca desafios e metas que nunca pensou que pudesse realizar, entra em contato com um lado seu que você não conhecia e tudo isso me motivou a também a querer fazer teatro agora”.  Durante a faculdade, Rodrigo percebeu que não estava satisfeito em se ver apenas atrás das câmeras – queria encará-las de frente também. “ Quero ter isso comigo na minha vida porque além de tudo é terapêutico”. Então, entrou num curso de teatro profissionalizante para poder ter mais essa opção de carreira.

O teatro foi importante mas Rodrigo também destaca que a escola oferece aos alunos um leque de experiências para que optem. “A equipe sempre demonstrava aos pais a importância dos alunos poderem fazer suas escolhas. Com certeza devo muito à Projeto que, além de me incentivar fazer minhas próprias escolhas me mostrou opções que eu nunca havia pensado pra minha vida”.

Rodrigo se recorda das idas a museus. Não era “simplesmente nos levar e mostrar”. Havia uma preparação, uma contextualização e uma explicação dos motivos pelos quais o museu estava sendo visitado. “A Projeto sempre teve o cuidado de nos mostrar os motivos pelos quais fazíamos isso ou aquilo. Sempre fui muito questionador, e sempre gostei de entender as razões pelas quais tenho de fazer as coisas”.

Este espírito questionador, também foi fomentado pelo Projeto. “A escola sempre nos incentivou que nos colocássemos, argumentássemos demostrássemos opinião, não nos omitíssemos. Levo isso pra minha vida sempre. Mesmo em grupos em que eu era o mais novo, com menos experiência, tinha argumentos, me colocava no grupo – isso pode ter vindo de mim, mas vejo isso nos alunos da Projeto – são pessoas que têm a capacidade de conversar sobre qualquer coisa”.

Os amigos do nono ano são, ainda, seus melhores amigos. “É uma relação única. Muito forte”.

A postura da Projeto no tocante à inclusão tem, até hoje, influenciado a forma como Rodrigo encara a diversidade. “Percebo que nem todo mundo sabe lidar com as diferenças e eu sempre destaco como é importante, como cada um sempre tem algo a aprender com o outro. A divergência de ideias e de opiniões é essencial e eu sei que tenho essa atitude muito pela minha formação na Projeto.”

Outro ponto que mexeu com muitos Sempre alunos, não passou despercebido por ele. “As viagens para Ilha do Cardoso e Brotas – marcaram a gente, nos fizeram sentir quanto somos insignificantes perto deste planeta Terra.  E quanto cada pequeno ato influencia no macro.”

Pra finalizar, deixemos por conta do próprio Rodrigo. “Eu matei que queria fazer comunicação na Projeto, com o teatro e com as vivências de escrita.  Ali eu vi o quanto a Comunicação e a Arte são importantes neste mundo pós-moderno em que vivemos. As pessoas da Projeto têm essa visão de que a Arte é importante, comunicação é importante e que o mundo se transforma a partir daí.”